Mesmo com safra maior, trigo segue com preços sustentados;

Apesar de o Brasil estar evoluindo para uma safra de 7 milhões de toneladas de trigo, o volume não representa folga na oferta. Os preços seguem sustentados pelas cotações internacionais e pela demanda interna, que cresce continuamente. Paraná e Rio Grande do Sul confirmaram ampliação de 27% e 9% no plantio, mas os valores médios do cereal pagos aos produtores paranaenses e gaúchos abrem a semana em R$ 43 e R$ 34 por saca de 60 quilos, respectivamente.

Nas duas safras em que o país produziu mais de 6 milhões de toneladas de trigo – em 2003/04 e em 1987/88 –, a necessidade de importação era menor. As colheitas supriram 60% e 93% da demanda (na mesma ordem). Agora, se forem colhidas 6,88 milhões de toneladas, conforme estima a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), estarão garantidos somente 57% do consumo do período, estimado em 11,93 milhões de toneladas.

No ano seguinte à colheita de 6,2 milhões de toneladas registrada em 1987/88, o país importou 950 mil toneladas de trigo. Agora, mesmo que as lavouras rendam 7 milhões (t), será necessário buscar no exterior 5,5 milhões (t), ou seja, 5,9 vezes mais.

Rebaixamento

1 milhão de toneladas de trigo a menos deve ser importado pelo Brasil em 2014/15, na comparação com a temporada anterior. Nos últimos anos, as compras chegaram a 7 milhões (t), baixaram para 6,7 milhões (t) e, agora, voltam para a casa dos 5 milhões de toneladas.

Fonte: Gazeta do Povo

Post: Alexandre Drulla