Renault e Volks dão férias coletivas a 4 mil pessoas

Renault e Volks dão férias coletivas a 4 mil pessoas

Empresas instaladas em São José dos Pinhais vão reduzir a produção mais uma vez, em nova tentativa de adequar seus estoques à queda nas vendas de veículos

Publicado em 02/10/2014 | FERNANDO JASPER

As montadoras brasileiras continuam tentando se adaptar à retração do mercado de veículos. No Paraná, Renault e Volkswagen vão conceder férias coletivas a cerca de 4 mil pessoas neste mês. O objetivo é diminuir a produção e, com isso, aliviar a lotação de seus pátios. As duas empresas, instaladas em São José dos Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba), já haviam adotado medidas semelhantes neste ano.

Cortes

Polo automotivo demitiu 2,6 mil pessoas neste ano

O setor automotivo do Paraná demitiu 2.607 trabalhadores de janeiro a agosto, já descontadas as contratações feitas nesse período, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No mesmo intervalo do ano passado, as empresas do ramo haviam contratado 2.330 pessoas.

A maioria dos cortes foi realizada pelos fabricantes de peças e acessórios para veículos, que dispensaram 1.677 funcionários em oito meses. As montadoras de carros e utilitários, por sua vez, fecharam 679 postos de trabalho. Também houve corte de pessoal nos fabricantes de cabines, carrocerias e reboques (198) e nas montadoras de caminhões e ônibus (53).

Segundo dados da Anfavea, em todo o país os fabricantes de carros, ônibus e caminhões fecharam 8 mil vagas desde o início do ano, e ao fim de agosto empregavam 148,9 mil pessoas – o menor quadro desde maio de 2012.

Afetada principalmente pela queda de mais de 50% nas exportações para a Argentina, a Renault dará folga a metade de seus funcionários de 13 a 22 de outubro. Vão entrar em férias 3 mil trabalhadores – 2,5 mil da fábrica de veículos de passeio e 500 da linha de motores. Nesses dez dias, a fábrica deixará de produzir 12 mil motores e 10 mil unidades dos modelos Sandero, Logan e Duster.

A Volkswagen, que emprega 3,2 mil pessoas no estado, dará férias aos funcionários do primeiro turno de produção entre meados de outubro e o início de novembro. A empresa não informou detalhes, mas, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), aproximadamente mil trabalhadores ficarão em férias por 20 dias.

No primeiro semestre, a Volkswagen havia adotado o chamado “layoff”, suspendendo temporariamente os contratos de 700 funcionários em diferentes ocasiões. Desses, 550 ainda estão sem trabalhar, e parte deles deve retornar às atividades nas próximas semanas, conforme o SMC. A Renault, por sua vez, havia aproveitado a Copa do Mundo para dar férias de 20 dias a 4 mil trabalhadores no mês de junho.

Outra montadora instalada no Paraná, a fabricante de caminhões e ônibus Volvo, deu férias coletivas de 22 dias, entre maio e junho, a 400 funcionários da linha de produção de veículos semipesados. A empresa informou que por enquanto não há previsão de novas medidas do gênero.

Retração

Sob o impacto da queda nas exportações e nas vendas domésticas, a produção brasileira de carros de passeio e utilitários caiu 18% de janeiro a agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2013, segundo a Anfavea (associação das montadoras). A fabricação de caminhões baixou 23% e a de ônibus, 9%.

No Paraná, segundo os dados mais recentes do IBGE, a produção de veículos, carrocerias e reboques diminuiu 17% nos sete primeiros meses do ano. A redução é a mais forte sofrida pelo polo automotivo paranaense desde a crise de 2009, quando a atividade despencou 34% de janeiro a julho. A queda deste ano é também a mais expressiva dentre os 13 segmentos industriais monitorados pelo IBGE no estado.

Fonte: Gazeta do Povo

Post: Caroline Ribeiro - Sintracoosul - PR