Paraná lidera exportações das cooperativas brasileiras

As cooperativas paranaenses responderam, no primeiro trimestre, por 33% do total exportado pelo setor no País, de US$ 1,36 bilhão. Ao todo, foram US$ 447,3 milhões em exportações, alta de 16% em relação ao mesmo período do ano passado, de US$ 386,4 milhões, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio.

Participação - No mesmo período do ano passado, a participação das cooperativas paranaenses estava em 31,73%. De acordo com a Secex, São Paulo ficou em segundo lugar no primeiro trimestre de 2016, com US$ 309,2 milhões, Santa Catarina em terceiro, com US$ 210 milhões, e Minas Gerais em quarto, com US$ 151,9 milhões.

Entre as maiores- Das dez maiores exportadoras do setor cooperativista no Brasil, três são paranaenses: Coamo, de Campo Mourão, C.Vale, de Palotina, e Cooperativa Agroindustrial Lar, de Matelândia. Os principais mercados de exportação são China, Estados Unidos e Emirados Árabes. Produtos do complexo soja e carne de frango são os destaques na exportação.

Porto - O Porto de Paranaguá também é o líder na exportação das cooperativas brasileiras, responsável por 45,97% dos embarques no trimestre – US$ 627,2 milhões, à frente do porto de Santos (SP), com US$ 534,2 milhões e Itajaí (SC), com US$ 98,9 milhões.

Resultado - A combinação de safras recordes de grãos, aliadas a pesados investimentos em tecnologia e profissionalização colocaram o Paraná no topo do setor cooperativista no País. Há cinco anos, o Paraná ocupava a segunda colocação nas exportações das cooperativas, atrás de São Paulo.

Combinação - “Esse resultado foi possível graças à combinação de integração com o produtor, adensamento da produção, profissionalização, inovação na gestão e tecnológica e um ambiente favorável para investimentos”, diz Francisco José Gouveia de Castro, diretor do centro estadual de estatística do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

Ambiente de negócios- “Hoje o ambiente de negócios no Estado é outro, há espaço para diálogo entre o setor público e o privado”, diz, ao citar que como exemplo o programa de incentivos fiscais Paraná Competitivo, que favorece projetos de ampliação ou construção de novas unidades, e o apoio dado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Recorde - A agência paranaense do BRDE bateu recorde de contratações para o setor cooperativista no ano passado, com R$ 830,9 milhões. O volume foi 185% superior ao registrado (R$ 291,5 milhões) em 2014.

Dados - As cooperativas, de acordo com dados divulgados pela Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), responderam por 56% da produção agropecuária no Estado no ano passado. Os investimentos alcançaram R$ 2,3 bilhões e a geração de tributos totalizou R$ 1,5 bilhão.

Cooperados - Ao todo, de acordo com a Ocepar, cooperativismo paranaense congrega 1,3 milhão de cooperados, possui 2 mil empregados e gera 2,6 milhões de postos de trabalho. (Agência de Notícias do Paraná)