Rodovias paranaenses transportam produção agrícola recorde

Uma safra de grãos recorde: previsão de produção de 24,5 milhões de toneladas de soja, milho e feijão no Paraná, de acordo com a última avaliação feita pelo Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab). Com a expectativa de um inverno menos intenso e menos agressivo que o do ano passado, o estado deve fechar 2017 com uma safra total próxima a 42 milhões de toneladas. Nacionalmente, a previsão também é bastante positiva: 230 milhões de toneladas de grãos, uma considerável expansão de mais de 25% em relação à safra do ano passado, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O desempenho do setor, que parece imune à crise econômica, começa a movimentar as rodovias do Paraná, importante corredor de escoamento de safras não apenas do estado, mas também de outras regiões do país, rumo aos principais centros consumidores e também aos canais de exportação. Somente as exportações de soja, responsável por quase um quarto das vendas para o exterior paranaenses, cresceram mais de 20% no primeiro trimestre de 2017 em comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. O volume representa quase US$ 1 bilhão em exportações.

Investimentos em transporte rodoviário

O Paraná foi o segundo estado brasileiro com mais investimentos no setor, atrás apenas de São Paulo.

Exportações brasileiras em 2015

Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Infografia: Gazeta do Povo.

O desempenho do setor, que parece imune à crise econômica, começa a movimentar as rodovias do Paraná, importante corredor de escoamento de safras não apenas do estado, mas também de outras regiões do país, rumo aos principais centros consumidores e também aos canais de exportação. Somente as exportações de soja, responsável por quase um quarto das vendas para o exterior paranaenses, cresceram mais de 20% no primeiro trimestre de 2017 em comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. O volume representa quase US$ 1 bilhão em exportações.

Mais da metade da produção de grãos do Paraná (56%) é enviada para exportação pelas rodovias do estado. Além disso, a maior parte da produção agrícola da Região Sul e de estados produtores do Centro-Oeste escoa pela malha rodoviária paranaense em direção ao Porto de Paranaguá. Ao todo, cerca de 80% da soja embarcada em Paranaguá chega por vias rodoviárias.

 

Estradas do Paraná são as melhores da região Sul, segundo pesquisa

A pesquisa anual de rodovias feita pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) em 2016 mostrou que o Paraná tem a melhor malha rodoviária da região Sul. Das rodovias do Estado, 45,4% foram consideradas ótimas ou boas, contra uma média de 40,7% na região. A CNT avaliou 6,2 mil quilômetros de rodovias no PR.

Embora tenha uma infraestrutura de transportes considerada entre as melhores do país, o setor produtivo do estado cobra investimentos em manutenção e melhorias de rodovias importantes para o escoamento da produção agropecuária.

Para a Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), há carência de infraestrutura, especialmente nas rodovias de acesso ao Anel de Integração. “Temos uma safra recorde e só conseguimos escoá-la graças à qualidade das rodovias pedagiadas do Anel de Integração. As rodovias estaduais passaram por melhoria nos últimos dois anos com investimento de cerca de R$ 800 milhões. Porém, as federais precisam de atenção urgente”, argumenta o presidente da entidade, Sérgio Malucelli.

Dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) confirmam que o Paraná investiu mais de R$ 1 bilhão em transporte rodoviário em 2016. Foi o segundo estado brasileiro com mais investimentos no setor, atrás apenas de São Paulo. O volume de gastos do estado vizinho foi de R$ 3,85 bilhões. Santa Catarina aparece na terceira posição com R$ 896 milhões. Apesar da colocação de destaque do Paraná nesse ranking, o engenheiro civil especialista em infraestrutura e logística Mário Stamm avalia que é preciso avançar.

“A infraestrutura está defasada. No Brasil, as coisas acontecem num ritmo muito lento. No Paraná não é diferente. Além de ampliar a atual estrutura de modais de transporte, é preciso integrá-los”.

- Mário Stamm

Os investimentos considerados pela STN somam recursos públicos e privados. As limitações do poder público para investir em infraestrutura de transportes têm justificado as ações do governo federal para ampliar as parcerias com a iniciativa privada e retomar investimentos. O Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), em discussão no Congresso Nacional, foi criado com o objetivo de estabelecer um novo fluxo de decisões para definir as prioridades dos projetos que serão executados por meio de concessões, parcerias público-privadas e privatizações.

Governo anunciou recentemente pacote de R$ 2,3 bilhões em intervenções

Em âmbito estadual, o governo do Paraná segue a mesma linha, de ampliar concessões para obras de melhorias nas estradas. Em março, foi anunciado mais um pacote de licitações. O investimento de R$ 2,3 bilhões em intervenções nas rodovias paranaenses é destinado principalmente à manutenção de trechos das estradas. Segundo o secretário da Infraestrutura e Logística do Paraná, José Richa Filho, este é o maior pacote de licitações para conservação rodoviária da história do estado. “Nosso orçamento anual em infraestrutura aumentou cerca de 10% em relação à gestão anterior. O nosso produtor rural e as nossas indústrias merecem isso. Eu digo que da porteira para dentro, do galpão para dentro, somos campeões. Cabe a nós fazer a nossa parte”, diz.

O governo do Paraná afirma que foram aplicados apenas em duplicações de rodovias estaduais cerca de R$ 2 bilhões desde 2011. Os trechos duplicados somam 500 quilômetros. “Temos um pacote robusto de duplicações já realizadas ou em andamento”, afirma o secretário, citando trechos como da PR-323, entre Maringá e Paiçandu; a PR-445, entre Londrina e Cambé; e a BR-376, entre Ponta Grossa e Apucarana. Para Richa, o investimento em infraestrutura é fundamental como indutor da economia. “No Paraná, nossa preocupação com o equilíbrio fiscal permitiu fazer os investimentos necessários”, conclui.

PRODUÇÃO DE GRÃOS

 

Líder nacional em produção de grãos (soja, milho, feijão), o Paraná impulsiona o crescimento brasileiro no setor quebrando recordes de produtividade. Expansão do país deve ser de 25% em 2017 na comparação com o ano passado.

Brasil

Em milhões de toneladas

Paraná

Em milhões de toneladas

 

Estimativa
Fonte: Conab.

EXPORTAÇÃO

 

Mais da metade da produção de grãos do estado é enviada para exportação pelas rodovias do Paraná. Além disso, a maior parte da produção agrícola da Região Sul e de estados produtores do Centro-Oeste escoa pela malha rodoviária paranaense em direção ao Porto de Paranaguá.

 

Principais itens da cesta de exportações do Paraná no 1º trimestre 2017


Exportações brasileiras em 2015
Fonte: Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio.

CONDIÇÕES DAS RODOVIAS DO ESTADO

 

Em 2016 o estado teve a melhor avaliação de malha rodoviária da região Sul. No total foram avaliados 6,2 mil quilômetros de rodovias no Paraná.

% de rodovias consideradas ótimas ou boas

Exportações brasileiras em 2015
Fonte: Confederação Nacional do Transporte (CNT).

INVESTIMENTOS EM TRANSPORTE RODOVIÁRIO

 

O Paraná foi o segundo estado brasileiro com mais investimentos no setor, atrás apenas de São Paulo.

Exportações brasileiras em 2015
 
Post - Andressa Pinheiro Mendes - Paranaguá/PR
Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional (STN).
Infografia: Gazeta do Povo.